28 de junho de 2017

Kernunna


O Sesc Belenzinho apresenta a banda mineira Kernunna, um dos pioneiros do folk metal no Brasil. O show acontece no dia 30 de junho, às 21h30, na Comedoria da unidade. O Kernunna surgiu da união de membros da Tuatha de Danann e da belo-horizontina Cartoon. A banda lançou o álbum "The Seim Anew", em 2013, se apresentando no Rock in Rio daquele ano. O álbum foi parcialmente inspirado na obra do autor irlandês James Joyce, cujas canções dialogam com a música celta, o heavy metal, o rock progressivo e a música indiana, explorando as sonoridades da gaita de fole, da cítara e de outros instrumentos. O romance "Finnegans Wake", de Joyce, aparece como referência nas canções “The Seim Anew”, “The Keys to. Given!” e “Ricorso”. Já a faixa Snark” é uma alusão a Lewis Carroll (criador de Alice no País das Maravilhas), enquanto duas das peças referendam figuras do folclore brasileiro: o curupira, entidade defensora das matas e dos animais, em “Curupira’s Maze”, e o Sete Orelhas, o vingador mineiro, em “The Last of the Seven Ears”. Completam o disco as músicas “Kernunna”, “Dreamer” e “Póg Mo Thóin”. O álbum The Seim Anew? foi produzido por Bruno Maia e coproduzido por Marco Diniz.  Folk prog metal talvez seja a definição mais próxima para seu curioso e melódico som. “É uma nova forma de expressão musical que é calcada no que eu fazia antes, porém com a experiência adquirida, com o teor da novidade e com a vontade do eterno criar; é a evolução própria de um registro particular que ganha forma na força do grupo”, comenta Bruno. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP).

27 de junho de 2017

Iluminar - oficina cênica


Foto: Bob Sousa

Até o dia 15 de julho, estão abertas as inscrições gratuitas para "Iluminar - oficina criativa de cenografia, figurino e iluminação cênica com o diretor Kleber Montanheiro". Esta atividade é promovida pelo Teatro do Incêndio, cuja primeira edição aconteceu no primeiro semestre deste ano. Os interessados devem enviar breve currículo, carta de interesse e contatos para o e-mail produção.teatrodoincendio@hotmail.comA oficina será realizada no período de 1º de agosto a 28 de novembro, sempre às terças-feiras, às 19h30, na sede do teatro. Os selecionados participam de aulas teóricas e práticas, além de uma vivência mensal no processo de criação do primeiro espetáculo do projeto "A Gente Submersa" da Companhia Teatro do Incêndio, que tem estreia prevista para o dia 2 de setembro. A oficina oferece aos alunos a oportunidade de conhecer fundamentos de criação das três áreas abordadas, exercitando-se e debatendo conceitos ao longo dos encontros. O Teatro do Incêndio fica na Rua Treze de Maio, 48 – Bela Vista. SP/SP.

26 de junho de 2017

As pilhas fracas do tempo


O título "As pilhas fracas do tempo" instiga a curiosidade do leitor. O texto nos conquista pelo sabor literário. Tudo no lugar certo e com muita criatividade. Não só a história convence, mas as entrelinhas acariciam o ledor ávido por literatura boa, e, o autor, Leo Cunha, sabe exatamente como atingir sua audiência. Na trama, Luca, aprendiz de poeta, apaixona-se por Helena, que conhece em um ônibus a caminho do shopping. Encorajado pelo avô, aproxima-se dela, e começa a tomar o mesmo ônibus todos os dias só para vê-la. Porém, há Marcello, seu amigo, uma ameaça ao desenrolar do romance; há também a indefinição de Helena, e daí a vontade de queimar todos os poemas já escritos. Um livro que vale à pena ser lido!

23 de junho de 2017

Braguinha – sons, canções e histórias

Foto: Barbara Campos

Estreia no dia 25 de junho o musical infantil "Braguinha - sons, canções e histórias" no Sesc Ipiranga. Braguinha é um dos compositores mais importantes da música brasileira. Conhecemos a maior parte de sua obra através de sambas e marchinhas populares, como Chiquita Bacana, Touradas em Madri, Balancê, As Pastorinhas, mas poucos sabem que ele também tem uma vasta obra dedicada às crianças. Tendo como base a obra de Braguinha, a dramaturgia do musical foi elaborada a partir de suas músicas e suas histórias, presentes na coleção Disquinho.  Na trama, duas crianças, perdidas na floresta, pedem abrigo numa casa de barro. O dono, Seu Braga, os acolhe e lhes apresenta suas músicas e histórias, além de objetos antigos, já “obsoletos”, como a vitrola, que, quando acionada, transporta todos magicamente para viverem outros personagens em aventuras como “A cigarra e a formiga” e “Festa no céu”. O espetáculo acontece aos domingos, às 11h. O Sesc Ipiranga fica na Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga.


22 de junho de 2017

Carmen

Foto: Ronaldo Gutierrez

A peça "Carmen"foi idealizada por Natalia Gonsales e Flávio Tolezani, juntos decidiram montar esse clássico que relata a história de uma das personagens mais conhecidas mundialmente. “Este projeto tem como objetivo a montagem do espetáculo, o resgate dos principais personagens criados por Mérimée para que o público volte a se intrigar e querer decifrá-los. E assim, basear-se na literatura de Prosper Mérimé e também permitirá que a construção cênica explore a cultura cigana numa linguagem contemporânea.”, conta Natalia Gonsales. O público conhecerá o mundo fascinante e perigoso da boêmia que se opõe às normas burguesas, já que a sua figura foi deformada da original, principalmente na ópera e no ballet, tornando-a assim familiar, o que não deixa de ser uma situação insólita para quem, como ela, sempre se recusou terminantemente a constituir um laço familiar. Uma mulher que não teme a morte, fascinada pelo risco e capaz de prever o seu trágico destino. Na história, Carmen e José vivem uma trágica paixão. Na trama, ele narra o seu amor por Carmen e o motivo que o levou a prisão. Já ela, através da obliquidade dos olhos, narra o seu ponto de vista em relação à história. O espetáculo acontece no Teatro Aliança Francesa a partir do dia 30 de junho, às sextas e sábados às 20h30 e domingo às 19h. O teatro fica na Rua Gen. Jardim, 182 - Vila Buarque, São Paulo - SP.

21 de junho de 2017

O Compositor Delirante

Foto: Michael Pablo Bursztein

Inspirado na vida e obra do compositor austríaco Ludwig van Beethoven, "O Compositor Delirante", solo escrito e interpretado por Daniel Kronenberg, estreia no dia 29 de junho no InBox Cultural, às 21 horas. Com provocação cênica de Gabriel Bodstein, o monólogo coloca em foco o artista com seus questionamentos. Numa tentativa enlouquecida de organizar sua trajetória, a personagem Beethoven trava discussões políticas, filosóficas e de ordem artística com Mozart, Haydn, Goethe e com o próprio pai, além de outras pessoas imaginárias. A surdez, a loucura e a necessidade de quebra de paradigmas são as tônicas do espetáculo, costurado pela música do compositor, que permeia toda a encenação, dando cadência e ritmo às argumentações da personagem. Em meio à solidão e ao escasso traquejo social, a surdez da personagem impede seu contato com o mundo exterior, mas não impede o chamado para exteriorizar a si mesmo: um telefone não para de tocar e o convoca a conversar com outros compositores clássicos e até mesmo com suas amantes. Com seu pai, ele questiona o excesso de rigor de sua criação; com Haydn, indaga sobre uma nova possibilidade de se viver a arte; com Goethe, critica a apatia e a falta de espírito criador, com Mozart, confessa sua inaptidão como compositor; e com suas amantes - Josefina, Julieta e Antonia -, adota seu lado mais romântico, no sentido mais óbvio da expressão. O telefone é um elemento cênico importante que caracteriza a subjetividade da loucura, enclausurada pela surdez. O InBox Cultural fica na Rua Teodoro Sampaio, 2355. Pinheiros/SP.

20 de junho de 2017

Pescadora de Ilusão

Fotos: Deborah Schcolnic

O espetáculo "Pescadora de Ilusão" conta a história de uma mãe que pede perdão aos filhos por ter esquecido de dar comida aos seus peixinhos vermelhos, o que fez com que eles morressem. Para justificar seu pedido de desculpas, Clarice garante que ama os animais e conta histórias divertidas sobre os bichos de estimação que passaram por sua vida, como o cachorro Dilermando e a macaquinha Lisete. No enredo da peça as atrizes Carol Badra e Mel Lisboa vivem as personagens EU e TU, duas atrizes, que pedem para as crianças perdoarem a Clarice Lispector por ter matado os peixes, assim como ela faz no livro. A adaptação do texto e direção geral do espetáculo são de GpeteanH, tendo como seu assistente Arnaldo D'Ávila. Em um clima de mistério, diversão e interatividade com a plateia, as atrizes explicam a importância do perdão e a relação com as perdas, separações e até mesmo a morte, fazendo uma analogia, entre as diversas histórias que intercalam a trama, com a morte dos tais peixinhos vermelhos. O espetáculo inicia-se a partir do dia 24 de junho, aos sábados e domingos às 16h, no Teatro Sérgio Cardoso que fica na Rua Rui Barbosa, 153. Bela Vista.

19 de junho de 2017

Carta ao Pai

Foto: Júnior Cecon

O espetáculo "Carta ao Pai" estreado em 2006 pela Cia. Carne Agonizante tem como referência a obra homônima de Franz Kafka, escrita em 1919. A nova temporada é de 23 de junho a 16 de julhode 2017 no Kasulo Espaço de Cultura e Arte. Concepção, direção e dramaturgia de Sandro Borelli. Na carta, que nunca foi enviada ao destinatário original, Kafka expõe toda a sua mágoa em relação ao pai autoritário, que ele chama de "tirano". “O espetáculo é a tentativa de dissecar o conteúdo emocional e/ou espiritual de uma ação, de um gesto, de um olhar, de uma situação ou de uma atitude que seja índice de mistérios do drama humano. É espelho vivo, é o ato doloroso de se ver e não se reconhecer. É drama na estrutura da Dança”, conta Sandro. A direção artística propõe uma estética que instiga um aprofundamento da criação em questões que se reportam à alma humana. Numa ação dramática que incide sobre o desenho coreográfico, cria um jogo cênico meticuloso e provocador. O espetáculo acontece todas as sextas e sábados às 21h e aos domingos às 19h no Kasulo Espaço de Cultura e Arte que fica na Rua Sousa Lima, 300 - Barra Funda. Os ingressos são um quilo de alimento não perecível.

16 de junho de 2017

História & Estórias


Acontece no dia 19 de junho, às 18h30, o lançamento do longa-metragem "História & Estórias", no Cine Olido, em São Paulo, com entrada franca. O filme tem roteiro e direção de Vicentini Gomez. O olhar experiente do diretor retrata a história da cidade, desde a origem de seu povoamento com a chegada do Cel. Goulart (Antonio Petrin) e seus agregados para a construção do primeiro rancho. E também a forte presença do Cel. Marcondes (Carlo Briani), cuja rivalidade com o Cel. Goulart ajudou a impulsionar o desenvolvimento do povoado. A mescla de registros oficiais com as encenações - baseadas em fatos reais e nas lendas (ainda vivas na memória da população) - favorece a compreensão do processo histórico do desbravamento do Oeste Paulista e a história social e política do Brasil em relação à história local, a partir de um modesto povoado, fundado em torno de uma estação ferroviária, que atingiu o status atual de capital da 10ª região administrativa do Estado de São Paulo. O roteiro de "História & Estórias" traz uma riqueza de imagens e informações que facilitam a compreensão do processo que resultou na cidade centenária. A linguagem contemporânea, a exploração de recursos de 3D e a computação gráfica garantem dinamismo e fluidez, bem como a participação dos atores renomados interpretando os principais personagens dessa história. As locações foram nas cidades Porto Feliz, Cabreúva, Itu e Presidente Prudente que emprestaram belas paisagens para cenários remotos e momentos significativos da trajetória dos desbravadores e das pessoas que construíram Presidente Prudente. O Cine Olido (Galeria Olido) fica na Avenida São João, 473 - São Paulo/SP. 


15 de junho de 2017

Joias Brasileiras em Cordas


No dia 17 de junho, às 20h, acontece o concerto "Joias Brasileiras em Cordas" com a Orquestra de Cordas Laetare no Centro Britânico Brasileiro. A regência é de Muriel Waldman com a participação de Celina Charlier na flauta transversal. No repertório obras de Antonio Ribeiro, Chiquinha Gonzaga, Claudio Santoro, Francisco Mignone, Glauco Velasquez, Henrique Osvald, Osvaldo Lacerda e Silvia de Lucca. Apoio Cultural da Cultura Inglesa de São Paulo. A Orquestra de Cordas Laetare, onde o nome significa “alegrar” e também “se alegrar”, é constituída por 27 músicos (violinistas, violistas, violoncelistas e contrabaixistas). Já se apresentou em teatros, como o Grande Otelo e o SESI/Paulista, Igrejas, como a Capela do Beato Anchieta no Pateo do Collegio, a Catedral Evangélica, Igreja do Sagrado Coração de Jesus, e nas cidades de Franca, São José dos Campos, Campinas, Piracicaba e Caraguatatuba. A Sala Cultura Inglesa do Centro Brasileiro Britânico fica na Rua Ferreira de Araújo, 741 - Pinheiros - São Paulo. O Show é gratuito!

14 de junho de 2017

Ato Falho

Foto: Leekyung Kim

O drama "Ato Falho" estreia dia 17 de junho no espaço Cia do Pássaro. Um espetáculo árido onde também é possível encontrar o riso. Na sinopse: um ato fortuito no cotidiano de uma mulher cansada desencadeia uma série de situações onde a fragilidade humana é revelada sem cuidado. Fatos aparentemente pequenos e irrelevantes assumem grandes proporções quando as personagens se encontram a ponto de explodir. Um copo que cai, um mascar de chicletes excessivamente barulhento, um atendimento de telemarketing que não se conclui, uma foto que não fica boa. Tudo, qualquer coisa, pode ser o estopim para uma revelação que estávamos tentando esconder na ansiedade de viver e cumprir um cotidiano aprisionador. "Estávamos cansadas de ter textos e projetos presos na gaveta pela impossibilidade de recursos que os viabilizassem. Acreditamos que a força do teatro está no texto e no ator. Já tínhamos esse material, então resolvemos investir nisso e criar uma montagem com o mínimo de recursos possível, focada na palavra e no jogo cênico”, completa Tati Lenna. Bruna Anauate e Tati Lenna se conheceram em 2008 no CPT – Centro de Pesquisa Teatral de Antunes Filho, e desde então seguiram em contato. Bruna Anauate já havia se envolvido na área de produção em 2013 quando atuou como atriz e produtora em "Tem alguém que nos odeia", texto de Michelle Ferreira. Tati Lenna investiu mais na área da dramaturgia ao integrar o Núcleo de Dramaturgia do Sesi através do qual publicou em 2016 seu primeiro texto teatral "Circo Chernobyl - Um ensaio sobre a peça". Os personagens do drama não são caracterizados permitindo que as sensações, emoções e atitudes por eles expressadas possam ser atribuídas a toda e qualquer pessoa independente de classe social, cor, credo, orientação sexual ou gênero. A Cia do Pássaro  fica na Rua Álvaro de Carvalho, 177 - Centro - São Paulo, e, o espetáculo inicia-se às 21h.

13 de junho de 2017

Banda Holocausto


Retornando às suas raízes extremas, a banda mineira Holocausto toca no Sesc Belenzinho o puro war metal do início da carreira, contando com os veteranos da formação original de 1985. No dia 17 de junho, às 21h30, Rodrigo F., Valério Exterminator, Anderson Guerrilheiro e Nedson Warfare executam com fúria, na Comedoria da unidade, músicas de seu material clássico e do atual petardo War Metal Massacre, lançado pela NWN Productions (USA). O show integra a programação do projeto Música Extrema, que envolve gêneros e estilos como noise, minimalismo, concretismo, heavy metal, hardcore e grindcore. Holocausto é considerada uma das principais bandas de metal do Brasil, creditada como o primeiro grupo de war metal do mundo. Formada em 1984, em Belo Horizonte, inicialmente com o nome de Asmodeu, por Rodrigo F. (vocal) e Valério Exterminator (guitarra), em 1985 recrutaram Marco Antônio (baixo) e Nedson Warfare (bateria) e assumiram o nome atual. Neste mesmo ano perderam o baixista Marco, que deixou entre suas composições a música “Massacre”, gravada posteriormente na demo-tape de mesmo nome. Em seu lugar entrou Anderson Guerrilheiro (banda Massacre). Agora o Holocausto está de volta com a formação da primeira geração. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho - São Paulo - SP.

12 de junho de 2017

Marte, você está aí?

Foto: Leekyung Kim

A ideia original da peça teatral “Marte, Você Está Aí?” é muito boa. Faz-nos pensar em várias possibilidades de história se desconhecemos sua sinopse. O texto inédito de Silvia Gomez é forte e nos leva a uma viagem única. A direção de Gabriel Fontes Paiva é assertiva, aliás, impossível deixar de notar o cenário harmonioso e eficaz. O elenco, escolhido a dedo, além de mostrar o preparo eficiente, todos se destacam em suas atuações: Selma Egrei, Michelle Ferreira e Jorge Emil. Simplesmente todos estão um arraso! Na trama, as ruas do país estão em chamas e tempestades espaciais afetam as redes elétricas e os sistemas de comunicação. Neste mundo de asfalto em brasa e sistemas de poder em combustão, uma militante (Michelle Ferreira) se esconde numa casa esquecida, posta à venda. Sua mãe (Selma Egrei), sobrevivente de uma nem tão distante ditadura, a procura há muito tempo, até que um misterioso Intruso (Jorge Emil) a encontra. A peça está no Auditório MASP (Avenida Paulista, 1578 - Bela Vista) e fica em cartaz até o dia 30 de julho, sextas e sábados às 21h e domingos às 20h. Vale à pena ver, sem sombra de dúvidas!

Flaira Ferro

Foto: Thito Borba

A cantora e compositora pernambucana, radicada de São Paulo, Flaira Ferro apresenta "Cordões Umbilicais", seu primeiro projeto de música autoral, no dia 16 de junho, às 21h30, na Comedoria do Sesc Belenzinho. O show conta com participação especial da cantora Karina Buhr. Gravado entre 2013 e 2014 de forma independente, o disco tem arranjos e direção musical de Leonardo Gorosito e Alencar Martins e participação especial do Maestro Spok. O repertório traz 11 faixas inéditas, sendo 10 assinadas por Flaira, algumas em parceria com outros músicos e compositores. "Cordões Umbilicais" é formado por: “Mundo Invisível”, “Templo do Tempo” e “Cordões Umbilicais”(parcerias com Igor Bruno); “Bom dia, Doutor” (parceria com Ulisses Morais e Spok); “Lafalafa” e “Contra-Regra” (parcerias com Alencar Martins); “Pondera” (parceria com Camila Moraes); “Filhos” (de Fernando Ferro e Thereza Cardoso); “Me Curar de Mim”, “A Novidade ao Lado” e “Atriz, Cantora ou Dançarina?”. Nascida em Recife, Flaira ingressou na vida artística aos seis anos por meio da dança. Viveu a infância rodeada de estímulos artísticos ligados às manifestações do carnaval de Pernambuco. Formada em Comunicação Social, é pesquisadora, dançarina, cantora e compositora. Mudou-se para São Paulo, em 2012, para trabalhar no Instituto Brincante, espaço de Antônio Nóbrega, onde teve a oportunidade de estudar percussão e conhecer músicos que se tornaram parceiros na criação de "Cordões Umbilicais", que marca a nova fase da artista, agora como cantora e compositora. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho - São Paulo/SP.

9 de junho de 2017

Mad Monkees


O Sesc Belenzinho apresenta amanhã, às 21h30, a banda cearense "Mad Monkees" lançando seu novo show e novo álbum, "Bombman Strikes Again". Na apresentação, que acontece na Comedoria da unidade, o quarteto divide o palco com os colegas da banda "Autoramas", que abre o espetáculo e volta ao palco no final do show. A Mad Monkees – composta por Felipe Cazaux (guitarra e voz), Capoo Polacco (guitarra), Hamilton de Castro (baixo) e PH Barcellos (bateria) – formou-se em 2015, em Fortaleza, quando lançou seu EP Mad Monkees. Logo conquistou importantes palcos do rock, participando de festivais e centros de formação de plateia no Nordeste, entre eles os Festivais DoSol (RN), Maloca Dragão e Feira da Música. A banda volta ao Sesc Belenzinho para mostrar o novo trabalho, produzido por Carlos Eduardo Miranda e coproduzido por Rodrigo Sanches (Grammy Latino 2017 de engenharia de gravação, edição e mixagem pelo álbum Tropix, de Céu). O set list show "Bombman Strikes Again" é formado por músicas do álbum homônimo e composições do EP lançado em 2015. O show é resultado de mais de dois anos ininterruptos de trabalho em cima do novo repertório e dos arranjos ao vivo que trazem links entre as canções e muita interatividade com o público. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - São Paulo.

Liniker e os Caramelows

Simplesmente apaixonante ouvir "Liniker e os Caramelows". O artista tem em seu visual uma personalidade própria. Mistura turbante, saia, batom e bigode em suas performances musicais que incorporam elementos cênicos à sua voz. Aliás, voz esta afinadíssima: ora rouca e grave, ora limpa e aguda. Um jeito pop, soul e black music bem brasileiro de se expressar. Um artista nato, diria! Aqui ele canta "Zero". Prestem muita atenção neste talento singular.

8 de junho de 2017

Help

Foto: Laercio Luz

Elias Andreato se inspirou nos tempos atuais para escrever "Help", que fala dos sintomas gerados pela era da individualidade e dos avanços da comunicação virtual. A comédia estreia dia 10 de junho no Teatro Eva Herz com os atores Maria Pinna e Eduardo Ximenes. O texto é dedicado à dramaturga, produtora teatral e assessora de imprensa Célia Forte. “Disse para a Célia que iria escrever uma peça pensando nela falando sobre a amizade. É uma mistura de ficção e realidade. Uma reflexão sobre a solidão e o mundo virtual em que vivemos e o sonho de um grande amor”, comenta Elias. Apesar dos avanços dos meios de comunicação e das mídias em geral, algumas pessoas dizem sofrer de algum mal psicológico por ficarem sozinhas por muito tempo – ainda que estejam constantemente trocando mensagens via internet. Esse é o preço pago pela busca da individualidade iniciada pelo pensamento moderno? Será que essas pessoas de fato são culpadas por serem diferentes e se sentirem tão isoladas a ponto de assumir que a solidão pode ser tratada com antidepressivos? Esse questionamento é o mote do espetáculo, que mesmo tratando de um tema difícil, caminha pelo cômico olhando para esta situação de forma irônica e leve. O cenário é um pequeno apartamento dividido por dois jovens na cidade de são Paulo. O figurino é atual e casual e a música é pop passando pelo romantismo e delicadeza dos climas da encenação. O Teatro Eva Herz fica na Av. Paulista, 2073. O espetáculo será apresentado aos Sábados às 18h e domingos às 16h.

7 de junho de 2017

Unfaithful

Foto: Leekyung Kim

A peça "Unfaithful", sob direção de Lavínia Pannunzio, se apresenta nos dias 8, 9, 10 e 11 de junho no Teatro da Cultura Inglesa de Pinheiros. Owen McCfferty, autor irlandês de produção dramatúrgica focada nas relações humanas, com aproximadamente 20 textos escritos, vencedor de inúmeros prêmios de dramaturgia, nesta peça escreve a história de um casal de meia-idade no ápice da crise conjugal, Tom (Hélio Cícero) e Joan (Noemi Marinho), e um casal de jovens na busca por sentido para suas vidas vazias, Tara (Luna Martinelli) e Peter (Laerte Késsimos). Uma noite em um bar de hotel, uma possível traição. Dois relacionamentos emaranhados, desejos não expressos, arrependimentos e conversas adiadas. Quatro personagens ligados pela sensação de que foram enganados pela vida. Um austero e abrasador vislumbre da realidade de nossos relacionamentos - dos desejos não ditos, dos arrependimentos penetrantes e das conversas adiadas que marcam a todos nós. A consciência do espectador fica maior que a consciência das personagens. O público passa a operar como um agente decifrador do comportamento anímico daqueles quatro personagens, na medida em que passa a conhecer os outros lados do quarteto de solitários. Na trama Joan e Tom estão casados há quase trinta anos. Tom é um encanador de meia-idade que às vezes gosta de tomar uma bebida sozinho, após o trabalho, em um bar de hotel no centro da cidade. Certa noite, ele é abordado por Tara, uma jovem que insiste em ter relações sexuais com ele. Não é uma prostituta. Quando Tom diz a Joan o que aconteceu, ela não deixa por menos e se encontra com o garoto de programa, Peter, no mesmo hotel onde seu marido conheceu Tara. O público nunca tem certeza se que o que eles dizem é verdade. Os horários desta temporada são: Dias 8, 9, 10 de junho às 21h e 11 de junho às 19h. O Teatro Cultura Inglesa de Pinheiros fica na Rua Deputado Lacerda Franco, 333.

6 de junho de 2017

Assim é (se lhe parece)

Foto: Rosano Mauro

Estreou no Teatro Itália a premiada montagem de "Assim é (se lhe parece)", dirigida por Marco Antônio Pâmio, mistura humor, ironia, suspense e melodrama para discutir a natureza da verdade.O espetáculo recebeu os Prêmios: APCAde melhor diretor (para Marco Antônio Pâmio), Shell de melhor ator (para Rubens Caribé) e Arte Qualidade Brasil de melhor atriz em comédia (para Bete Dorgam). Na história, uma família vai morar numa pequena província do interior da Sicília (sul da Itália), após sobreviver a um terremoto. Na nova cidade, eles começam a chamar a atenção dos habitantes locais. O motivo: a filha, casada, e sua mãe moram em casas separadas. Genro e sogra tentam explicar o fato com duas curiosas e conflitantes versões. A Sra. Frola afirma que ela e a filha vivem em casas diferentes devido à possessividade do marido da última, o Sr. Ponza. Ele, por sua vez, jura que sua primeira esposa, filha da senhora Frola, está morta e que a sogra tem problemas mentais e, por isso, crê que a filha ainda esteja viva. Assim, segundo ele, sua segunda esposa é obrigada a se fazer passar por filha dela para não contrariá-la. Logo, é necessário que as duas morem em casas diferentes. Os moradores da cidade decidem, então, reunir esforços para descobrir qual dos dois está mentindo e quem é, na verdade, a misteriosa Sra. Ponza. As apresentações acontecerão até o dia 25 de junho, sexta e sábado, às 21h e domingo, às 19h no Teatro Itália que fica na Av. Ipiranga, 344 - República, São Paulo – SP.

5 de junho de 2017

Felicidade Conjugal


O livro "Felicidade Conjugal" do russo Lev Tolstói revela bem o comportamento de um relacionamento submisso, quase omisso, de toda uma época. O desejo é explicitado pelo autor através do ponto de vista feminino. É bom que se diga que o livro foi publicado em 1859. O autor revela seu talento para descrever com preciosidade os estados de alma de suas personagens. É sutil e revela-se um observador perspicaz. Esta é talvez a primeira obra-prima de Lev Tolstói e prenuncia um tema que terá importância na vida do autor russo - o tema do desejo. Na trama, a jovem e bela Mária tem as etapas de sua vida amorosa narrada desde o primeiro despertar dos sentidos até o momento em que, experimentado o absurdo da existência, e, enfim, até que ela volte à própria vida. Segundo o tradutor da obra, Boris Schnaiderman, "o humano e o literário encontram o seu máximo de expressão". Um livro que vale à pena ser lido!

2 de junho de 2017

A Vida

Foto: Lígia Jardim

"A Vida" é o novo espetáculo da AntikatártiKa Teatral, com direção de Nelson Baskerville que estreia hoje no SESC Santo Amaro. Nelson e seus atores somaram às questões biográficas a pesquisa de um jogo cênico constituído de forma aleatória. Uma roleta define a cada sessão quais cenas serão apresentadas e qual a ordem delas.“Queria criar um espetáculo que pudesse ser aleatório e ao mesmo tempo ensaiado, partindo de experiências biográficas minhas e dos atores. A questão do uso biografia como ponto de partida dramatúrgico é que sempre consigo ver a vida e entendê-la melhor desta forma”, diz Nelson. O espetáculo é dividido em 7 fases, 12 cenas por noite (contando com as transições fixas), mais de 1.000 combinações possíveis, garantindo ao público em cerca de 110 minutos um espetáculo único a cada noite e a possibilidade de assistir ao espetáculo várias vezes. Na trama, seis atores e seu diretor se propõe a investigar suas tragédias pessoais e fazer delas teatro. Um mergulho em questões viscerais que resistiram à passagem do tempo. Um jogo de combinações e subjetividades. Uma rede de encontros preciosos em que cada cena emerge em mútua relação com as outras. Um espetáculo caótico e imponderável como a vida. A cada sessão, uma nova versão de si mesmo. O SESC Santo Amaro fica na Rua Amador Bueno, 505 – Santo Amaro.

1 de junho de 2017

Implosão

Foto: Ed Renato Domingos

A comédia romântica "Implosão", dirigida por Eli Barcellos, estreia hoje na Sala Cauby Peixoto do Bar Frango com Tudo, às 21 horas. Escrita conjuntamente por Christiano Aro, Rebeca Leite,André Vasconcellos e Jecimar Padilha, a peça fala de um casal de personalidades bem diferentes que tem que lidar com fortes e hilárias questões familiares. O espetáculo tem elenco formado por Eli Barcellos, Mony Gester, Mitsuru Yamada e Ana Paula Mafra. A relação aparentemente tranquila entre Carlos (Eli Barcellos) e Jana (Mony Gester), que vivem juntos há cerca de três anos, é bruscamente afetada por uma notícia que cai como bomba na vida dele, colocando em cheque os valores em que ele acredita. As diferenças entre eles vêm à tona, desencadeando uma implosão de conceitos pré-estabelecidos. O casal vai viver na prática o ditado popular sobre o casamento: quando duas pessoas se casam, o casamento é também com a família de seu cônjuge. No enredo de "Implosão", Carlos volta de uma visita à casa dos pais, em Sorocaba, com a notícia da separação deles, fato que ele não consegue aceitar de forma alguma. Para potencializar sua revolta, descobre que o pai tem uma amante, e a situação fica cada vez mais complicada quando o casal descobre quem é a tal amante. Desolado, Carlos busca consolo no inconsequente Brunão (Mitsuru Yamada), com quem tem uma esfuziante amizade desde a infância. Situações para lá de engraçadas se sucedem colocando em cheque os valores morais e sociais das personagens: Jana desconfia da relação do marido com o amigo; Brunão vai parar no hospital com overdose; e Fabíola (mãe de Jana, interpretada por Ana Paula Mafra) aparece para uma visita com seu jeito despachado de ser, colocando ainda mais lenha nessa fogueira. O espetáculo acontece todas às Quintas, às 21 horas na Sala Cauby Peixoto (Bar Frango com Tudo) que fica na Rua Canuto do Val, 115. Vila Buarque. São Paulo/SP.

31 de maio de 2017

Carlos Navas & Swami Jr.

Foto: Victor Soldano

Dia 1º de junho, às 21h, acontece o show de Carlos Navas (canto) e Swami Jr. (violão de 7 cordas) no Teatro Sesc Anchieta. Única apresentação. Amigos de longa data, o cantor e o violonista registraram quatro gravações em duo. No segundo CD de Navas, “Sua Pessoa” (2000), gravaram “Lua de Vintém” (Zé Renato/Cacaso) e “O Sopro” (Fred Martins/Manoel Gomes). No recente e elogiado décimo álbum do intérprete paulistano, “Crimes de Amor” (2015), o violonista, que também é diretor musical da Diva cubana Omara Portuondo, arranjou e empunhou seu personalíssimo 7 cordas em “Sem Destino” (Luiz Tatit) e “Palavras de Vento” (Alzira E/ Tiago Torres da Silva). Dividem o palco pela primeira vez num encontro inédito, mesclando autores contemporâneos e clássicos da memória musical brasileira. O espetáculo se divide harmoniosamente entre o contemporâneo e a memória musical, reverenciando autores como Luiz Tatit, Vitor Ramil, Alzira E, Itamar Assumpção e Fred Martins (no primeiro bloco) e Caymmi, Custódio Mesquita, Dilermando Reis, Sinhô e Noel Rosa (no segundo). O Teatro Sesc Anchieta fica na R. Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque. Informações: 3234 3000.

30 de maio de 2017

Sutil Violento

Foto: Geovanna Gellan

A Companhia de Teatro Heliópolis estreou o espetáculo "Sutil Violento" na Casa de Teatro Maria José de Carvalho. Com texto de Evill Rebouças e encenação assinada por Miguel Rocha (diretor e fundador do grupo), a montagem trata da violência sutil - visível ou comodamente invisível - do nosso cotidiano. A encenação de "Sutil Violento" inicia com um frenesi cotidiano, as pessoas correm. Não param. Mal se percebem. Desviam umas das outras, em alguns momentos se esbarram e, em átimos de atenção, reparam que há outros tão próximos e tão parecidos (ou tão diferentes?). Ali, logo ali, há um corpo caído no chão. Será um homem ou um bicho? Apenas se cansou ou não respira mais? Queria comunicar algo, mas será que conseguiu? Um olhar mais atento ao entorno começa a revelar abusos, agressões, confrontos e opressões diárias: formas de coerção privadas ou públicas. Sutis violências do nosso tempo; tão sutis que se tornam invisíveis, naturalizadas. Segundo o diretor Miguel Rocha, o espetáculo aborda o tema microviolência por meio de uma estrutura fragmentada, tanto na cena quanto no texto. A dramaturgia é composta por um conjunto de elementos: ações físicas, movimentos, música ao vivo e texto. Não há personagens com trajetórias traçadas, mas “figuras” cujas relações com o contexto social em que vivem estão em foco, a exemplo da mulher que é silenciada e do jovem que usa sapatos de salto mediante olhares atravessados. “As microviolências se revelam a partir dessas relações que se estabelecem entre essas pessoas e a sociedade”, argumenta o diretor. O espetáculo acontece todos os Sábados, às 20 horas na Casa de Teatro Maria José de Carvalho que fica na Rua Silva Bueno, 1533. Ipiranga/SP.

29 de maio de 2017

O Conde Lucanor


Para quem gosta do universo de reis e seus conselheiros, o livro "O Conde Lucanor", de Don Juan Manuel, é um prato cheio. A obra traz historietas de diversas conversas entre o Conde Lucanor e seu conselheiro Patrônio. Cada história traz implícito o viés da moral popular, beirando o didatismo. Há riqueza em tantas narrativas, são pouco mais de cinquenta histórias no total. Contudo, a estrutura das tramas cansa, pois trata-se da mesma fórmula narrativa: uma pergunta do Conde, o contar de alguma história do reino pelo seu conselheiro, o conselho em si e  a moral da história, escrita em versos. Da metade pro fim, provavelmente o leitor já se cansou da fórmula. Príncipe e guerreiro, Don Juan Manuel nasceu em 1282 e morreu em Múrcia, em 1348. Era sobrinho de Afonso X, o Sábio, foi regente do reino depois da morte de Fernando IV, e muito mais, conforme se poderá ler na sua biografia. O Conde de Lucanor é um livro didáctico, conforme os princípios morais ilustrados por Patrônio, com numerosos e belos exemplos ao Conde Lucanor, seu senhor. Inspiram-se no bom senso consuetudinário, em histórias antigas árabes e romanas e nos contos das Mil e Uma Noites. A influência deste livro na literatura mundial é impressionante desde, por exemplo, o Livro da Montaria, de D. João I, a Jorge Luis Borges, que tanto o apreciava e que chegou a parafrasear algumas das suas histórias, como pode comprovar-se no conto "O Bruxo Preterido", de História Universal da Infâmia.

26 de maio de 2017

Cisne

Foto: Julio Leão

O espetáculo "Cisne", concebido, dirigido e coreografado por Dinah Perry, faz curta temporada no Teatro Ruth Escobar até o dia 4 de junho com sessões aos domingos, às 16 horas. Com estética que mistura teatro e dança, "Cisne" faz uma reflexão sobre questões íntimas do homem e da mulher, buscando ressaltar sentimentos intensos de forma lúdica. Dinah comenta que “a forma de expressão corporal está na linguagem da dança teatralizada e do teatro musicado, ligados por uma dramaturgia subjetiva, embasada em textos e poemas que norteiam o conceito da criação”. As sensações e as emoções são referências usadas pela diretora para contar histórias de personagens que vivem a beleza e a fragilidade da alma. Entregues às situações, deixam transparecer a essência das paixões. As cenas ora são românticas e alegres, ora tristes e vazias, ora inocentes e exuberante, ora sensuais e sexuais. A gênese do trabalho se dá pelos gêneros poético, lírico e épico, alinhados por uma composição contemporânea. As cenas resultam em um conceito corporal técnico e requintado de movimentos desconstruídos. O espetáculo é formado por cenas independentes, configuradas por sketches de coreografia que unidas formam o corpo do espetáculo e a composição da obra. O Teatro Ruth Escobar (Sala Gil Vicente) fica na Rua dos Ingleses, 209 - Bela Vista.

25 de maio de 2017

Desdobrando Imagens


Até o dia 13 de junho, o Sesc Belenzinho realiza o projeto "Desdobrando Imagens", que reúne palestras, bate-papo, mostra de vídeos, cursos e oficinas ligados ao uso de realidade virtual e imersão nas práticas cinematográficas. A palestra com o norte-americano Michael Naimark, um dos pioneiros e principais nomes na criação da realidade virtual, é um dos destaques da programação, no dia 4 de junho. Produtor, inventor e estudioso do campo da realidade virtual e novos meios, Michael é conhecido por seu trabalho em mapeamento de projeções, com o Google Street View, com transmissão global de vídeo e patrimônio virtual. Ele foi premiado por 16 patentes relacionadas a câmeras e displays e seu trabalho foi visto em mais de 300 exposições de arte, festivais de filmes e apresentações ao redor do mundo. Desde 2009, integra o corpo docente do departamento de Cinema da Universidade da Califórnia do Sul, do programa de Telecomunicações Interativas da Universidade de Nova York e do Media Lab do MIT. Em 2015, Naimark foi contratado como o primeiro "artista residente" da Google, no seu recém-criado departamento de realidade virtual. Outro destaque é a exibição do documentário "Fogo na Floresta", primeiro filme em realidade virtual produzido numa aldeia indígena na Amazônia, dirigido por Tadeu Jungle, que será exibido em óculos de realidade virtual, junto com outras produções, nos dias 3 e 4 de junho. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700.

24 de maio de 2017

A Aurora é Coletiva – Residência Artística



A Cia. Teatro do Incêndio recebe inscrições até o dia 7 de junho para o edital "A Aurora é Coletiva – Residência Artística". A companhia vai selecionar dois coletivos teatrais para que desenvolverem, em sua sede, trabalhos de pesquisa estética, incluindo imersão em suas produções. Os grupos poderão utilizar as dependências do Teatro do Incêndio durante quatro meses (de 3 julho a 30 outubro de 2017) com apoio financeiro de 16 mil reais. As inscrições devem ser feitas unicamente pelo portal SP Cultura, onde pode ser acessado o regulamento e o edital: http://spcultura.prefeitura.sp.gov.br/projeto/2718/. Os selecionados serão divulgados no dia 17 de junho, quando os grupos serão convocados para reunião no Teatro do Incêndio a fim de formalizar a parceria. Como parte do projeto, ao final da residência, os coletivos contemplados participarão de uma semana de experimentação com os atores do Teatro do Incêndio, dentro do projeto "Poesia Cênica Conjugada", aberto gratuitamente ao público. “O intuito é possibilitar que os grupos continuem organizados, sem paralisarem suas atividades, já que o número de coletivos que realizam um trabalho de pesquisa continuada é muito maior que o total de editais oferecidos atualmente em todas as esferas”, argumenta Marcelo Marcus Fonseca, diretor e fundador da Companhia Teatro do Incêndio.

23 de maio de 2017

O Jogo do Amor e da Morte

Foto: Vagner Click

A peça teatral "O Jogo do Amor e da Morte" estreia 27 de maio com texto e direção de Eliseu Paranhos. “O Jogo do Amor e da Morte” busca inspiração em diversas obras literárias para contar a história de um homem (interpretado por Eliseu Paranhos) e de uma mulher (interpretado por Juliana Fagundes), fragilizados e paralisados diante de suas dores. A cada noite um jogo é proposto. Assim, “Os Maias” de Eça de Queiroz, “Giovanni” de James Baldwin e “Olhos Azuis – Cabelos Pretos” de Marguerite Duras emprestam seus personagens para que esses “jogos” se estabeleçam, numa expiação incessante que só acontece à noite – durante os dias os personagens somem, como vampiros. Os espectadores ficam a poucos metros dos atores de forma que uma experiência naturalista é levada às últimas consequências, ainda que elementos distanciadores desafiem esta lógica – como o notebook ligado o tempo todo ou o som de mar intermitente vindo de alto-falantes. Na narrativa, um homem contrata uma mulher para lhe fazer companhia por cinco noites. A cada noite um jogo é proposto no qual eles devem representar papéis diferentes, sempre relacionados a amores frustrados e abandonos. A peça fica em cartaz na Casa dos Fagundes: Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, 1239. As apresentações serão aos sábados  às 21h e domingos às 20h.

22 de maio de 2017

Será o Benedito!


Mário de Andrade é simples e eficaz na narrativa de "Será o Benedito!" Com uma ironia extraordinária e ao mesmo tempo trivial, ele relata a história de belíssimos personagens numa história bem brasileira e rural. Sexto volume da premiada coleção "Dedinho de Prosa", a crônica ilustrada por Odilon Moraes, retrata o encontro entre o homem maduro e o jovem menino, trazendo à tona os temas da amizade e da pureza, numa leve prosa cotidiana. Durante as férias na Fazenda Larga, o narrador encontra Benedito, um negrinho obcecado por conhecer a cidade grande, que ouvia atento a narração do visitante sobre os arranha-céus, chauffers, cantores de rádio, o presidente da República... As belas ilustrações traduzem a separação dos dois universos (cidade e campo), construída ao longo do texto. É sempre bom lembrar e ressaltar que Mário de Andrade foi um dos mais importantes nomes do modernismo brasileiro. 

19 de maio de 2017

Roque Santeiro

Foto: João Caldas Filho

A peça escrita em 1963 deveria ter sido encenada em 1965, mas foi censurada pelo governo militar. Em 1975, Dias Gomes (1922-1999) adaptou a obra para a televisão e esta versão também foi proibida. Só dez anos depois, em 1985, já com o país vivendo um processo de democratização, é que a novela foi levada ao ar. Esta é a primeira montagem de Roque Santeiro, em formato musical, em São Paulo. O texto foi pensando originalmente pelo autor Dias Gomes como uma opereta popular. A trilha sonora composta por Zeca Baleiro é executada ao vivo pelos atores com o apoio de dois músicos - André Bedurê (baixo e violão) e Érico Theobaldo (guitarra, percussão e eletrônicos). Baleiro musicou algumas letras do autor que já existiam na versão original do texto e compôs outras canções especialmente para a peça. “A trilha traz um toque levemente marcial, um certo tom militar, mas também tem elementos de bolero, tango, baião, valsa, muita brasilidade e brejeirices. Mas é bom deixar claro: a peça é diferente da novela, desde o texto até a música”, comenta Zeca Baleiro. Roque Santeiro marca a quarta parceria da diretora Debora Dubois com o compositor. Juntos, eles já fizeram “Quem tem Medo de Curupira?”, “Lampião e Lancelote” e “A Paixão Segundo Nelson”. A direção de movimento é de Fabrício Licursi que, junto com Debora Dubois, optou por coreografias mais orgânicas, que misturam gestos e traços característicos dos personagens com a movimentação coletiva nos números musicais, como se reproduzissem festas populares na fictícia cidade de Asa Branca. A peça está no Teatro FAAP, Sextas e Sábados às 21h e Domingos às 18h. O teatro fica na Rua Alagoas, 903 - Higienópolis, São Paulo.

18 de maio de 2017

ABCDança

Foto: Paulo Popo

Em sua 12ª edição, o Projeto ABCDança circula pelas cidades do ABCD Paulista e capital São Paulo, propondo uma diversificada programação de dança em seus múltiplos estilos, que envolve espetáculos, intervenções, cursos, oficinas, fóruns e diálogos. A programação continua acontecendo até o dia 28 de maio e todas as atividades são gratuitas. A programação de espetáculos e oficinas passa por Mauá (Espaço das Oficinas e Praça 22 de Novembro), Rio Grande da Serra (Teatro Municipal de Rio Grande da Serra), São Bernardo do Campo (Escola Prof. Paulo Bugni e Centro Livre de Artes Cênicas), Ribeirão Pires (Praça Vila do Doce e Centro Cultural - Escola de Dança), Santo André (Sesc Santo André, Praça do Carmo, Teatro Municipal de Santo André e Centro de Dança de Santo André), São Caetano do Sul (Teatro Paulo Machado de Carvalho, Sesc São Caetano e Fundação das Artes de São Caetano do Sul) e São Paulo (Centro Cultural São Paulo). Fiquem de olho!

17 de maio de 2017

Na Laje

Foto: Gustavo Morita

No ápice dos anos 90, o pagode viveu o seu auge com diversas músicas e grupos. Com inspiração nessa atmosfera, o musical "Na Laje" prorroga sua temporada, após grande sucesso de público no Teatro Viradalata, até o dia 24 de junho. A montagem tem concepção e direção geral de Fezu Duarte e dramaturgia de Marcos Ferraz, direção musical de Crikka Amorim Ivan Parente além da coreografia de Juliana Sanches. O espetáculo é uma comédia romântica musical conduzida por canções do universo do pagode que fizeram sucesso nos anos 90. Apresenta personagens cativantes e os clássicos que estão na ponta da língua dos espectadores. Lançando mão de recursos cênicos megalomaníacos, que satirizam os grandes musicais, a produção conta a história de um grupo de pessoas que vive na Cohab. Pimpolho é um cara bem legal que quer levar sua vida simples, administrando seu boteco, tocando seu pagode com os amigos e casando com sua namorada,Tânia. Contudo, o concurso de televisão nacionalmente conhecido como “A Garota da Laje” vai fazer uma seleção no bairro, algo que mudará a vida dos dois e da produtora do concurso InaraClássicos de Negritude Júnior (Cohab City), Katinguelê (Lua Vai) e Art Popular (Pimpolho e Temporal) estão no repertório. O elenco é formado por Diego Rodda, Fábio D'Arrochella, Fernando Fecchio, Marilice Cosenza, Paula Flaibann, Pedro Passari e Veridiana Toledo. O Teatro Viradalata fica na Rua Apinajés, 1387 - Sumaré, São Paulo.

16 de maio de 2017

Arte e Expressão

Foto: Alessandra Fratus

O intérprete Zé Guilherme apresenta o repertório de seu terceiro CD "Abre a Janela – Zé Guilherme Canta Orlando Silva" no Sesc Santana, no dia 24 de maio, às 15 horas. O espetáculo, que integra o projeto Arte e Expressão - Trabalho Social com Idosos traz o olhar de um intérprete contemporâneo para um clássico da música brasileira. O disco, lançado em 2015, é uma bela homenagem a um dos mais significativos intérpretes da música popular brasileira, que completaria 100 anos na época do lançamento do álbum. O trabalho é norteado por uma releitura delicada e pessoal de 18 canções do repertório do Cantor das Multidões, selecionadas em um longo processo de pesquisa sobre sua trajetória. Entre as músicas do show, destaque para “A Jardineira”, “A Primeira Vez”, “Abre a Janela”, “Aos Pés da Cruz”, “Curare”, “Faixa de Cetim”, “Lábios Que Beijei”, “Lealdade”, “Malmequer”, “Pela Primeira Vez”, “Preconceito” e “Alegria”, entre outras. Na apresentação, Zé Guilherme também tece alguns comentários, entre uma e outra canção, a respeito da vida e obra de Orlando Silva, bem como sobre o contexto social da época e as razões que nortearam sua escolha do repertório. O intérprete se apresenta acompanhado por Cezinha Oliveira (direção musical e violão), Adriano Busko (percussão), Luque Barros (baixo e violão de 7 cordas) e Pratinha Saraiva (flauta). O Sesc Santana fica na Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Jardim São Paulo/SP. 

15 de maio de 2017

Vai e vem


A obra "Vai e vem" é simplesmente encantadora em suas imagens amáveis. Aliás, são elas, as ilustrações, que além de contar a história, cativa o leitor. O autor, Laurent Cardon, francês radicado no Brasil desde 1995 nos sugere um diálogo sem ao menos dizer uma palavra. Aliás, este não é o único livro feito apenas de ilustrações dele. O protagonista é delicioso e tem seu objetivo muito bem traçado na trama. Um luxo de leitura visual! Na narrativa, um garotinho se assusta com o vai e vem das ondas quebrando na praia, um peixinho aparece, e com ele uma incrível aventura se inicia. Na tentativa de salvar o peixinho, o menino é levado por uma ave para uma viagem aérea sobre o mar e vê animais assustadores, como tubarões e polvos gigantes, e vive cenas engraçadas, até conseguir voltar para a segurança da terra firme. Super recomendo!

12 de maio de 2017

Mata teu pai

Foto: Elisa Mendes

“Mata teu pai”, de Grace Passô, é uma livre adaptação do mito de Medéia e foi escrita especialmente para a atriz Debora Lamm, com direção de Inez Viana e direção de produção de Claudia Marques. Neste novo projeto, entre expatriados e imigrantes, Medéia questiona valores atuais, como o feminismo e o preconceito. Medéia está em movimento, vive em meio a escombros da cidade onde agora está. Encontra mulheres: síria, cubana, paulista, judia, haitiana. Se vê na mesma condição de imigrante. Algumas tornam-se suas cúmplices, outras suas algozes. Percorre um caminho interior, onde decide que quem tem que morrer é Ele, que a desprezou e tirou seu direito de ser sua mulher. “Que direitos temos nós?” Ela tem consciência de seus direitos e luta por eles. Para além de um paralelo sobre o mito, a autora recria a sua feiticeira, performatizada por Lamm, e a insere nos dias de hoje, criando assim um debate sobre a condição da mulher atual. Também propõe uma mudança na história, inaugurando uma nova perspectiva e versão para o mito. A primeira temporada na cidade de São Paulo acontece até o dia 28 de maio, às sextas e sábados às 21h e domingos às 18h, no Sesc Ipiranga. O Sesc Ipiranga fica na Rua Bom Pastor, 822.